Sobre Carlos Gildemar Pontes

CARLOS GILDEMAR PONTES - Fortaleza – Ceará. Escritor. Professor de Literatura da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG. Doutor em Letras UERN. Mestre em Letras UERN. Graduado em Letras UFC. Membro da Academia Cajazeirense de Artes e Letras – ACAL. Foi traduzido para o espanhol e publicado em Cuba nas Revistas Bohemia e Antenas. Tem 25 livros publicados, dentre os quais Metafísica das partes, 1991 – Poesia; O olhar de Narciso. (Prêmio Ceará de Literatura), 1995 – Poesia; O silêncio, 1996. (Infantil); A miragem do espelho, 1998. (Prêmio Novos Autores Paraibanos) – Conto; Super Dicionário de Cearensês, 2000; Os gestos do amor, 2004 – Poesia (Indicado para o Prêmio Portugal Telecom, 2005); Seres ordinários: o anão e outros pobres diabos na literatura, 2014 – Ensaios; Poesia na bagagem, 2018 – Poesia; O olhar tardio de Maria, 2019 – Conto; Crítica da razão mestiça, 2021 – Ensaio, dentre outros. Vencedor de Prêmios Literários nacionais e regionais. Contato: [email protected]

SOBRE A NEUTRALIDADE DAS PALAVRAS

 
Todos, todas e/ou todes? Taí uma boa discussão que deveria ser abarcada
pelas universidades, especialmente nos programas de pós-graduações.
Se para defender uma tese revolucionária, instituir uma metodologia de
pesquisa inovadora, uma categoria de análise original, precisamos do aval de um
programa de pós,

DA MESMA RAÇA HUMANA

Um cego não enxerga, mas pode sentir o cheiro do gás. Um surdo não escuta, mas pode ver o fogo gerado pelo gás que socorre os europeus nos invernos, aquecendo suas casas. Essa guerra é para que todos escutem e

A CULTURA DO DESCARTÁVEL

De há muito tenho percebido que a principal filosofia do século XXI é a do descartável. Ainda na época de estudante de Letras, quando escrevi a primeira crônica, preocupei-me com as miudezas que eu juntava, irritavam minha mãe, e o

RELIGIÃO, UM OPIÁCEO SEM PRAZER

A religião não só escraviza como aliena. Para alguns, é uma espécie de opiáceo.
Quando os cristãos chegaram na América, desconheceram toda cultura, toda religiosidade e toda harmonia com a natureza praticada pelos povos originários. Disseram que o Deus deles não

FACULDADE DE ESCRITOR

Depois de ler o artigo/ entrevista do Sr. Manchado de Assim, vou deixar de ser escritor. E creio que outros confrades devam fazer o mesmo. Vou conversar com a minha sombra pra ver o que ela diz.
Eu – Como pode