Arte: Da Estética e Outras Questões – por DIMAS MACEDO

As manifestações artísticas e naturais constituem um conjunto de signos que nos ajudam a entender porque estamos no mundo, e qual o significado que a obra de arte representa, e porque a sua fruição é tão essencial para as nossas relações com o ser e o devir.

A Filosofia parece ser a mãe de todas as artes, e as expressões da arte sempre estão a sugerir perguntas que não se unificam em torno de um fim. Uma das funções da Arte é estimular percepções e criar um novo sistema de linguagens, ou exercer a faculdade, que lhe é inerente, de formular uma paródia para a existência.

A Beleza, assim como a Ética, requer um pensamento filosófico que possa justificar a sua procedência, levando-nos às categorias da Estética para a compreensão desse imperativo, sobre o qual versaram filósofos tão dispares quanto Platão e São Tomás de Aquino, e especialmente, Kant e Friedrich Hegel, na modernidade.

As questões estéticas são questões filosóficas, e requerem, de quem as enfrenta, uma reflexão e um ponto de partida que estejam ancorados na dúvida e na diversidade, e no confronto da mente com a Dialética, a primeira entre todas as formas de conhecimento.

O livro de Alder Teixeira e Carolina Araújo, Arte: Da Estética e Outras Questões (Mossoró: Sarau das Letras, 2019), dispensa qualquer forma de apresentação, em face do discurso maiêutico no qual o seu texto se desdobra, abrindo-se para os seus leitores desde os seus matizes e os seus argumentos, aí enfrentando os autores assuntos da maior relevância para o estudo da Arte e dos seus potenciais fenomenológicos.

A exposição dialógica da Estética e da Filosofia que a compreende, no caso, a Filosofia da Arte, não é recurso usado com frequência por filósofos modernos. Pertence ao jeito de explicar inerente aos antigos, sendo, assim, de grande utilidade, a forma escolhida pelos autores para veicular as teses que professam, e que são instigantes.

O que é Arte? O que são os estilos de época? O que a Arte significava na antiguidade e o que ela significa em termos de consumo? As artes possuem um valor? Os pães e o circo seriam, efetivamente, aquilo que parecem, se a Arte não os tivesse transformado? Eis algumas perguntas que o leitor pode inferir da leitura atenta deste livro.

O convite que recebi de Alder Teixeira para fazer a abertura do volume, honra-me sobremodo. A ele, intelectual exemplar e amigo querido, junta-se a inteligência de Carolina Araújo, arquiteta e poetisa do more filosófico que se colhe na troca de ideias.

Os autores hão de perdoar, com certeza, o alongamento deste texto que fiz contra a minha previsão. Alder me pediu um comentário, mas creio que me excedi, na medida em que os prazeres do texto se foram relevando, e tornando o ensaio ainda mais provocante.

Antes de iniciar sua leitura, pensei que o texto trabalhado pelos autores fosse daqueles que clamam por uma explicação, acerca da sua natureza. Enganei-me, pois se trata de uma obra aberta, que exige de quem a desvela, sensibilidade, e olhos para ver aquilo que os discursos anulam nas sociedades de intenso consumo.

Após a leitura, as minhas indagações, dúvidas e interrogações ficaram ainda mais acesas. E tudo isso para mim é um regalo, e regalo maior será para aqueles que vierem a se acercar deste livro, de onde brotam uma rosa vermelha e um ramalhete, uma experiência de vida e um fervor filosófico para a Esperança.

 

Dimas Macedo

Dimas Macedo

Poeta, jurista e crítico literário. Professor da UFC.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.