ALUCINAÇÃO OU REALIDADE II

Domingo de sol

Vontade de bebericar

Quebrar a monotonia

Matar o “verme”

Um copo, não encontro

Vem pra cá, xícara

Te faço um copo

Penso no Bevan e no Beto

Irmãos de farra

Chamo-os pra perto de mim

Arrasto uma Ypióca 160

Morena sedutora

Todos lambendo os beiços

Copos próprios apareceram

Desvirginização carinhosa

Goles que descem redondos

Euforia, tin-tins e mais tin-tins

A bagunça começa

Reminiscências da infância

De farras pesadas

Histórias censuráveis

Apimentadas e proibidas

Gargalhadas repetidas

Dos dois, não gargalho

Chegam papai e mamãe

Toda a família também

Diálogos codificados

Todos ficam “voando”

Alguém, desorientado fala:

Não estou entendendo nada!

Falem pra gente entender

Bevan e Beto riem alto

E gritam: cacete, cacete

Mantra etílico

Para desviar a atenção

Todos entendem e riem

E se abraçam e se beijam

A farra atingiu o ápice

Os Oliveiras em comunhão

Realidade alucinante.


Gilmar Oliveira

 

Gilmar Oliveira

Gilmar Oliveira, Professor Universitário.