Aeroporto: A Estação da saudade

Era uma vez um aeroporto lotado de gente, falando sei lá quantos idiomas diferentes, malas, carrinhos, check-in, chamada no painel. Parece que todo aeroporto é barulhento, porém, um barulho particular de aeroporto. Eu gosto!

 

Uma ruma de avião todo dia e toda hora. Um sobe e desce sem fim.

 

Devo reconhecer que não sou fã de altura, mas me descobri apaixonada por aviões; talvez pela imponência, pela inteligência que impera ali. Pode ser bobagem minha, mas não considero simples o trabalho de um avião.

 

Bem, a verdade é que nas minhas últimas passagens pelo aeroporto de Fortaleza, me pus a observar…

 

É gente e mais gente chegando, saindo, outras apenas se despedindo, e também festejando a chegada de alguém querido. Já vi amores se deixando no aeroporto.

Eles se abraçavam tão forte e de forma tão demorada. Ela chorava. Ele segurava o rosto dela e em seguia abraçava-a novamente.

Eu tentei ser discreta, mas diante da cena, não sei se consegui. Eles pareciam querer tanto ficar juntos que eu passei a torcer por um pequeno atraso no voo só para que eles tivessem mais uns minutinhos de abraço.

 

São tantas coisas vividas e observadas dentro de um aeroporto que tudo se mistura.

Mas retomando o assunto… Morar perto do Pinto Martins deve ser uma eterna chiadeira de: Decola – aterrissa, decola – aterrissa. Decola – aterrissa. Haja ouvido!

 

Turistas e mais turista em nossa cidade. Antes de encerrar o primeiro semestre de 2019, nosso aeroporto já ocupava a quinta posição do país e a primeira do Nordeste em número de visitantes estrangeiros. Eita que nós “tamo” é importante!

 

E pra quem só sabe o verbo to be, vou te dizer: Tá atrasado!

Fortalesense today, speak is English even!

Entendeu?

 

Francês, alemão, argentino, português, colombiano, italiano, são tantos turistas que é impossível não notar. Chega a ser empolgante! Afinal, saber que tantas pessoas  procuram Fortaleza pelo encantamento e curiosidade por nossas praias, cultura, culinária e tantas outras particularidades da nossa cidade deixa o caboco todo besta! 

 

Não é difícil perceber o que as pesquisas apontam, tivemos um aumento significativo de turista por aqui. Passa umas horinhas no aeroporto e você constata.

É que as nossas praias são lindas, a água de coco é delícia, e nós somos gente boa!

Então aproveita. Num se avexe não que já é certo, todo mundo que passa por aqui quer ficar mais um tiquinho.

 

Pois todas as vezes que aquele avião decola, ele voa carregado de saudade.

Daniella Cruz

Daniella Cruz é Psicóloga, orientadora de Carreira. Graduada em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, Especialista em Gestão de Pessoas e Liderança. Trabalhou na Europa na execução de projeto voltado para a neuropsicologia e acompanhamento de idosos com Alzheimer e outras demências. Tem participação em antologias literárias e é colunista no SegundaOpinião.jor.

Mais do autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.