13 fatos dos últimos anos para se contrapor à necessidade de “salvar o Brasil”. Por OSVALDO EUCLIDES

— Ao quitar sua dívida com o FMI e depois até emprestar dinheiro ao FMI, zerar seu passivo com o Clube de Paris e livrar-se do Comitê de Bancos Credores, o Brasil voltou a ter liberdade e soberania para definir sem interferência externa suas políticas econômico-financeiras. (Lembram do tempo em que vinham a Brasília os técnicos do FMI e o presidente do Citybank para dizer o que podia e o que não podia fazer?)

— Ao acumular reservas cambiais de 380 bilhões de dólares, o Brasil ficou quase completamente imune a crises financeiras internacionais e passou a ter condições de controlar efetivamente e de forma independente sua taxa de câmbio e de juros, pois acabou a dependência dos credores internacionais para fechar suas contas.

— Sinal de confiança no mercado nacional, o fluxo de investimento direto externo se normalizou e manteve uma média anual superior a 60 bilhões de dólares, chegando a superar em certos anos a marca de 80 bilhões de dólares, sem nenhuma interrupção ou variação brusca. (Essa estória de que os investimentos externos vão voltar não cola, porque eles nunca foram embora)

— Desde 2004, a taxa de inflação ficou nos limites da meta (com exceção de um ano).

— Salvo nos anos de 2009, 2015 e 2016, recessivos, o Brasil experimentou taxas de crescimento positivas para o PIB.

— A taxa de juro real que o Tesouro paga aos detentores de títulos da dívida pública interna caiu de mais de 12 por cento ao ano para menos de 3 por cento ao ano.

— O Brasil venceu a disputa internacional para sediar as Olimpíadas, e realizou-as com qualidade.

— O Brasil venceu a disputa internacional para sediar a Copa do Mundo, e realizou-a com qualidade.

— O Brasil foi retirado do Mapa da Fome.

— O Brasil criou um caminho para levar jovens pobres ao ensino superior.

— O Brasil chegou a encostar no que os economistas chamam de taxa de “pleno emprego”.

— O BNDES alcançou a marca de maior banco de desenvolvimento do planeta.

— A Petrobrás brilhou e atraiu a cobiça internacional ao fazer a maior descoberta de reservas de petróleo dos últimos cinquenta anos, de valor que se conta em trihões de dólares.

Osvaldo Euclides

Osvaldo Euclides

Economista e Professor Universitário.

Mais do autor