Veríssimo e a Reforma Agrária

Escritor e jornalista Luis Fernando Veríssimo responde a leitor:

Numa carta um leitor comentou um texto meu sobre a reforma agrária intitulado “Injustiça e desordem”, publicado há algum tempo. O leitor não gostou do texto. Nele eu lamentava a demora de uma reforma agrária para valer no país, e o leitor perguntou: “Que reforma agrária para valer seria essa que dilapidaria o setor do agronegócio, que segura as contas do país, com efeito multiplicador de gerar riqueza, emprego e renda para a indústria e os serviços?” Seguiu dizendo que toda a nação já entendera que o setor rural é o maior responsável pelo crescimento da economia brasileira, salvo os que insistem num pensamento “ideológico” e atrasado sobre a questão — como o meu. E recorre a uma analogia curiosa: “É como voltar ao tempo do Brasil-Colônia, onde nós, colonizados, não podíamos acumular riqueza porque tudo pertencia à Coroa portuguesa”.

(…)

O leitor diz que não há exemplo de reforma agrária que deu certo. Eu tenho alguns. Li um relatório da ONU sobre os efeitos dramáticos na cidade de Calcutá, conhecida pela miséria e a extrema degradação urbana, da reforma agrária feita na sua região. Uma reforma agrária radical livrou o Japão de uma estrutura fundiária feudal e teve muito a ver com sua recuperação depois da guerra. A louca corrida para ocupar o Oeste americano não é modelo para nenhum tipo de colonização racional, mas não deu errado. E já que exemplos americanos legitimam qualquer argumento, mesmo os do pensamento “ideológico”, recomendo que o leitor se informe sobre o Homestead Act, com o qual o governo dos Estados Unidos lançou, no século XIX, o maior programa de distribuição de terra da História. Não surpreende a desinformação sobre reformas agrárias alheias que deram certo, ou só foram frustradas pela reação violenta. Os próprios sucessos da incipiente reforma agrária brasileira são ignorados. Sobre os assentamentos que estão funcionando em paz, e produzindo, e contribuindo para o efeito multiplicador que o leitor, muito justamente, exalta, só se tem silêncio.

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *