Um novo PT? por Gilvan Mendes

Sabemos que o julgamento em segunda instância do ex-presidente Lula no caso Tríplex será realizado nesta Quarta-feira (24) em Porto Alegre, e todas as consequências políticas decorrentes desse caso serão primordiais para as eleições em outubro. CUT de um lado e MBL do outro, prometem fazer muito barulho até o fim do processo judicial, além das redes sociais que estarão mais beligerantes do que nunca com os ”haters” e as fake news. Entretanto, diante de toda essa turbulência, poderá o partido dos trabalhadores modificar seu rumo, com a condenação ou não de Lula e apostar em um novo caminho político? Para isso é necessário deixar de lado certas estratégias realizadas até agora. 

Aparentemente esta ideia está longe ser concretizada. Em seus discursos, Lula usa e abusa frases maniqueístas e recheadas de ”nós contra eles”, antes contra o PSDB agora contra seus acusadores na Lava Jato, além de lembrar sempre do seu governo e de como as coisas eram boas naqueles tempos. Gleisi Hoffmann em recente entrevista afirmou que para prender o ex-presidente”vai ter que matar muita gente” deixando claro que o culto a figura do líder petista parece ser para alguns quadros da sigla mais importante do que cumprir uma determinação da justiça brasileira. O atual PT opera na lógica da polarização política obtusaque vivemos nos dias de hoje no Brasil 

Porém, citando uma frase famosa de Marx ,”tudo que é sólido desmancha no ar”. Siglas tão influentes e importante como o PT mudarão suas perspectivas ideológicas para atender as demandas do mundo contemporâneo. Na Inglaterra dos anos 90 o tradicional partido trabalhista optou por uma nova abordagem institucional, o chamado ”Novo Trabalhismo”, mais moderado em suas posições. Na França o direitista Frente Nacional tenta até hoje deixar de lado seu passado extremista e se apresentar como uma opção razoável para o campo da centro-direita. O PT reformulado poderia se firmar como um grupo de centro-esquerda comprometido com reformas necessárias para o país, entre elas o combate à corrupção.   

Um novo PT poderá ser decisivo para o surgimento de novas medidas importantes para o desenvolvimento da democracia brasileira e o bem-estar social da população, ganhando um maior apoio da classe média. É isso ou continuar alimentando estainfrutífera polarização contemporânea. E, agora, PT?

Gilvan Mendes Ferreira

Gilvan Mendes Ferreira

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Ceará.Com interesse nas áreas de Teoria Política , Democracia e Partidos Políticos.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *