As taxas de câmbio e de juros são decididas por um Conselho, por Haroldo Araújo

A decisão sobre as taxas de juros a serem observadas em reunião do comitê de política monetária, não partem de uma só cabeça ou de um Órgão, mas sim de um colegiado que registra tudo sobre a decisão em ata de reunião amplamente divulgada. Os números a serem observados para a decisão do COPOM são dados objetivos e estão ligados à Política Monetária, Taxa SELIC e relatório de inflação. Desse modo as referências também constam do instrumento de divulgação ou “Ata do Copom”.

Esse Comitê de Política Monetária, criado em 1996, não sofre o viés do personalismo. Os juros e o câmbio estão sob estreita observação em face das influências das políticas desenvolvidas. São consideradas todas as variáveis com potencial de afetar a decisão. Assim por exemplo , afirmamos (afirmo Eu) através de uma definição muito simples: Juros baixos podem promover fuga de capitais e não podemos nos dar o direito de realizar experiências nesse mister. Por que? Porque precisamos financiar nosso crescimento. Serão rebaixados com muita cautela, assim como numa sintonia fina com a economia.

Por outro ângulo de visão o que podem fazer os juros baixos? Dólar sobe e teremos nossa moeda depreciada, fato que significa maior preço dos produtos comercializáveis com o exterior”. Certamente trará maior volume das exportações que crescem e inversamente à queda das importações (Melhora na Balança Comercial). Mas é preciso considerar que os salários reais serão menores (salários reais). A consequência é a redução do efetivo potencial de compra e do consumo. O aumento na produção seria destinado à exportação.

Assim sendo os produtos para exportação trazem de volta melhores margens de lucro e isso trará mais investimentos. Concluímos dizendo que uma depreciação da taxa de câmbio pode gerar mais empregos e desenvolvimento econômico devido ao aumento da capacidade instalada e resultante de maiores exportações. Se isso ocorre, a economia pode ingressar em um padrão de crescimento liderado pelos investimentos.

Não é desprezível a soma alcançada pelas Reservas: US$ 370.000.000.000,00 (trezentos e setenta bilhões de dólares). Esses recursos estão aplicados em diferentes tipos de ativos como: Ouro, moeda estrangeira, títulos públicos e depósitos mantidos no Fundo Monetário Internacional. O que isso significa? Significa alto poder dissuasório contra especuladores que buscam atuar em desfavor da nossa moeda por exemplo.

É válido lembrar da investida de George Soros contra o governo da Inglaterra? Não amigos, contra a Libra! O Brasil e os brasileiros podem ficar certos que o seu maior patrimônio o Real (R$) não estará ao alcance desses investidores. São investidores! Como são investidores os que dão contrapartida às nossa operações de Hedge ou na BM&F! Não devemos marginalizá-los (xenofobia à parte) só porque têm dinheiro. O Brasil dispõe de rígido controle do Mercado de Capitais e Mercado Financeiro e de forma que tem sido capaz de financiar nossa produção.

Temos um Sistema Financeiro sadio e saneado, um mercado de capitais eficiente e Instituições Públicas com determinação constitucional. Estamos no caminho certo, é o que penso. Sobre a Lava Jato? Precisa continuar e só tem feito bem ao Brasil. Toda crise traz benefícios e a nossa está terminando.

Haroldo Araujo

Haroldo Araujo

Funcionário público aposentado.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *