Superdance: E o cinema como arte da deriva

O cinema pode ser pensado como uma maravilhosa arte que encontra no conceito de deriva, uma de suas propriedades mais poderosas.  E nesse devir criativo é que a expansão das possibilidades narrativas do exercício cinematográfico se colocam mais assertivamente. Foi partindo da gênese desses conceitos que filmes como o excelente Superdance (2017) chegam aos nossos olhos e percepções.

Em tese, o curta conta a estória de 9 amigos que se encontram em diferentes pontos de Fortaleza, enquanto dialogam sobre as mais diversas variáveis da vida, como o lugar dos sujeitos nos espaços, a crítica da TV, o sexo e as complexidades das relações sociais. Toda essa miscelânea temática, entretanto, é desenvolvida a partir de uma estrutura que mescla nuances diametralmente opostas do naturalismo narrativo.

O curta conta a estória de 9 amigos que se encontram em diferentes pontos de Fortaleza, enquanto dialogam sobre diversas variáveis da vida.

Dizer isso é falar de um trabalho que se ancora na base de um roteiro pré-estabelecido, mas que apenas pauta a dinâmica desses personagens cena a cena. Ou seja, há um frescor de liberdade bastante perceptível no modo como cada ator desenvolve seus personagens, seus discursos e as interações que levam a estória para frente.

Juntos, eles inserem-se numa série de pequenas esquetes, ou pequenas peças/capítulos de caráter cômico, que também podem conter críticas sociais e culturais. A partir dessa estrutura, cada sequência do filme é costurada organicamente sem que a obra recaia em um tom clássico, cuja estrutura de início-meio-fim, de algum modo despotencializaria o trabalho, considerando-o como um curta iminentemente contemporâneo.

Existe uma fragmentação visível nas partes que formam o seu todo. Mas isso em momento algum produz qualquer fissura no entendimento da estória. Porque em Superdance, a questão mestra é exatamente a noção de deslocamento com base nesse espaço e cenários itinerantes. Nos elementos que formam a mise èn scene fílmica, considerando aquilo o que é domínio público (estruturas da cidade, como praças, ruas e avenidas) e o que é particular, no caso dos objetos de cena (design de produção) e as próprias figuras dos atores em si.

E é sempre muito inspirador sermos afetados por obras que acima de tudo se postam como conscientes exercícios de forma e sentido. De modo que nenhuma das duas coisas estejam desentrelaçadas. Isso é o que o curta traz de mais valoroso na sua gênese. Há a fotografia primorosamente executada por Irene Bandeira, mas esse dado técnico está intimamente ligado à proposta máxima o filme. Por isso que a câmera segue a deriva desses corpos que correm, escalam, saltam, gritam (onde está Caio?) e param, sem deixar de ser um braço técnico em termos de uma produção imagética que não oscila em sua natureza e proposta.

Nisso, cada plano e enquadramento atuam juntos para a construção da narrativa. Por vezes tecida apenas por aquilo o que as imagens do quadro nos conta. E em outros momentos a partir do poder de interpretação dos atores em suas falas, que positivamente muito nos lembram as tradições dos mestres de ontem, no caso de Ingmar Bergman e Alfred Hithcock; e os de hoje, quando lembramos dos longos diálogos em planos estendidos nas obras de Richard Linklater.

Isso é a experiência do cinema na sua forma mais bem acabada. Ela é direta sem deixar de se apropriar do poder que a subjetivação do discurso detém. Ela é extremamente relevante, e brilhantemente desenhada  a partir de uma pseudo lógica do descompromisso. É emergente, entendendo que a melhor forma de se colocar em pautas as questões do contemporâneo é por meio da sutileza intertextual. Uma vez que o cinema é senão o espelho de uma construção cotidiana.

Superdance é direto sem deixar de se apropriar da subjetivação do discurso. É extremamente relevante e brilhantemente desenhado a partir de uma pseudo lógica do descompromisso.

Enquanto um curta para ser lembrado como uma das mais felizes criações em nosso Estado nos últimos 5 anos, Superdance tem direção de Pedro Henrique, e elenco formado por: Gabriella Ribeiro, Bruna Pessoa, Geane Albuquerque, Karla Fonsêca, Leonardo William, Lucas Galvino, Paulo Victor Soares, Rodrigo Ferreira e Thiago Andrade. A produção é de Mariana Gomes e Leandro Bezerra. O som direto é de Rodrigo Fernandes e a fluida montagem é de Mariana Nunes.

 

FICHA TÉCNICA

Título Original: Superdance

Tempo de Duração:  20 minutos

Ano de Lançamento (Brasil): 2017

Gênero: Ficção, Comédia

Direção: Pedro Henrique

Daniel Araújo

Daniel Araújo

Jornalista, graduado em Comunicação Social (Jornalismo), Realizador em Cinema e Audiovisual pela Escola Pública de Audiovisual - Vila das Artes e colunista do Sala de Cinema no site Segunda Opinião.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *