Senador do PPS aponta irresponsabilidade da elite dirigente, fala em burrice e maldade e diz que o Brasil foi transformado num inferno

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) lamentou nesta quarta-feira (2) o incêndio e o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, em São Paulo, e criticou a irresponsabilidade das elites dirigentes, que fecham os olhos diante desse tipo de tragédia, enquanto desfrutam de uma série de privilégios, como o auxílio-moradia. Ocupado por mais de 50 famílias de sem-teto, o prédio sucumbiu a um rápido incêndio no dia 1º de maio, deixando vários moradores desaparecidos.

— A sensação que eu tive ao longo do dia, ao ver as notícias, é a de que aquele fogo é o inferno em que está hoje o Brasil transformado. Aquele fogo daquele prédio caindo tem mais do que chamas: tem um simbolismo. O simbolismo até de que pode ser que Deus seja brasileiro, mas nós, os dirigentes do Brasil, ao longo de décadas e décadas de toda a nossa República, nós não estamos sendo brasileiros. Que não estamos cuidando dos brasileiros — afirmou o senador.

Cristovam disse que há escolhas erradas que são feitas há décadas, como não atender às necessidades básicas da população, como moradia, água e esgoto e dar prioridade à construção de estádios para a Copa do Mundo e as Olimpíadas, palácios para a Justiça e o Legislativo e estradas para satisfazer a voracidade da indústria automobilística.

— Há uma maldade na maneira como nós não dividimos a renda nacional e uma burrice na maneira como nós não aumentamos a renda nacional. E o aumento da renda e a divisão da renda, os dois problemas passam pela educação de qualidade para todos os brasileiros — afirmou Cristovam, que prestou solidaderiedade às vítimas.

Agência Senado

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *