Senador do PMDB lembra a grande greve que terminou com 200 trabalhadores assassinados

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) lamentou nesta quinta-feira (30) que exatamente no ano em que se comemora o centenário de uma das mais importantes greves de trabalhadores da história brasileira, o governo, com apoio do Congresso, tenha aprovado a reforma trabalhista.

Em pronunciamento em Plenário, Requião lembrou o movimento grevista de 1917, que contou com adesão de mais de 70% da mão de obra ativa e apoio da população, e que também foi a mais reprimida e sangrenta das greves operárias brasileiras, com cerca de 200 operários assassinados, centenas feridos, várias centenas presos e milhares demitidos.

— Neste ano do centenário da grande greve, exatamente neste ano, como que para se vingar dos trabalhadores de 1917, as classes dominantes, aliadas a um governo que não está coberto pela legitimidade de uma eleição, com o apoio de um Congresso que renunciou ao papel legislativo e com o suporte da mídia monopolista e venal, aprovaram a reforma trabalhista — criticou o senador, afirmando que a reforma agora em vigor “realinha e reequipara” os direitos dos trabalhadores de hoje aos dos trabalhadores de 1917.

Requião afirmou, por exemplo, que, se àquela época os trabalhadores reivindicavam jornada de oito horas de trabalho, hoje, com a reforma, a jornada foi flexibilizada, permitindo que seja estendida a 12 horas diárias. Em 1917 os trabalhadores pediam férias e descanso remunerados, aposentadoria, salário mínimo, contrato de trabalho assinado e condições de trabalho salubres e seguras, especialmente para as mulheres e as crianças. E, destacou o senador, também queriam um intervalo para o almoço.

Hoje, comparou Requião, a reforma não garante férias, descanso remunerado, intervalo para o almoço, salário mínimo. E hoje, como há cem anos, admite-se que grávidas e lactantes trabalhem em ambientes insalubres, acrescentou o senador.

— É uma falácia dessas trapaças de jogador de baralho de botequim dizer que todos os direitos dos trabalhadores estarão preservados com a reforma. Mentira! Mentira em que apenas alguém absolutamente idiota, muitíssimo idiota, acreditaria. Com a supremacia do negociado sobre o legislado, o trabalho intermitente e a terceirização, nada, absolutamente nada estará garantido, nem o salário mínimo, nem férias, nem o décimo terceiro, nem o descanso remunerado, nem o recolhimento do Fundo de Garantia e da previdência. Logo, sequer a aposentadoria estará garantida, independentemente de ela ser reformada ou não — criticou.

Requião ressaltou ainda que a retomada do crescimento no país não ocorrerá com a precarização do trabalho. O senador reforçou que a essência do capitalismo é o consumo, e o consumo só acontece com o aumento do emprego e o aumento dos salários.

— Não é tão óbvio que sem emprego e salário não haverá demanda e que sem demanda não haverá produção? questionou.

Agência Senado

segundaopinião

segundaopinião

SEGUNDA OPINIÃO é um espaço aberto à análise política criado em 2012. Nossa matéria prima é a opinião política. Nosso objetivo é contribuir para uma sociedade mais livre e mais mais justa. Nosso público alvo é o cidadão que busca manter uma consciência crítica. Nossos colaboradores são intelectuais, executivos e profissionais liberais formadores de opinião. O SEGUNDA OPINIÃO é apoiado pelo MOVIMENTO COESÃO SOCIAL.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *