Prefeito prefere um caminho tortuoso, fora do Plano Municipal de Habitação, declara o vereador Police Neto (PSD)

O vereador José Police Neto (PSD) pede esclarecimentos sobre propostas habitacionais.

“O Executivo não conseguiu, ao longo dos dois últimos anos e meio, fazer avançar o Plano Municipal de Habitação. Optou por um caminho tortuoso, optou pelo diálogo com o setor privado, fora do Plano Municipal, discutindo novas áreas àquelas que já eram constantes do Plano, discutindo novos empreendimentos, como o conhecido Parque dos Búfalos, que nunca contou com o apoio do Plano Municipal de Habitação e muitos outros que eram desconhecidos de um plano estável e estruturado para a Cidade”.

“A cidade tem um Plano Municipal de Habitação, aqui apresentado, e que vale até 2024. O Secretário de Habitação optou por esconder o Plano da sociedade, o qual foi deliberado pelo Conselho Municipal de Habitação, que contou com ampla participação da sociedade. Então optou por um caminho perigoso, escondeu o Plano e anunciou que faria, nos dois primeiros anos, a projeção das 55 mil unidades habitacionais. Pasmem: nenhuma unidade nova foi para canteiro. Pasmem: nenhum dos programas em curso, seja de regularização fundiária, seja o Programa Mananciais, sejam os programas de substituição de áreas de risco, em quase nenhum há hoje obras, todos foram interrompidos, em especial o Programa Mananciais. Isso é um pouco para entendermos a lógica do Governo: o Governo encerrou um processo vitorioso, reconhecido internacionalmente, para implantar um processo novo, só que o novo ainda não existe”.

“Acha correto utilizar toda a área do Parque dos Búfalos para construção de 97 torres habitacionais? O que estamos dizendo é que concordo em tirar o atraso da incompetência da gestão, pois gestões anteriores também tiveram incompetência em algumas das suas ações, mas o que não podemos concordar é com uma abertura absolutamente indiscriminada para aquilo que não se sabe o que é”.

Priscilla Ramos

Priscilla Ramos

Acadêmica em Comunicação Social - Jornalismo. Estagiária voluntária do Segunda Opinião. Educomunicadora e Produtora Cultural.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *