Precisamos falar de QSP… Parte 14 – por Osvaldo Euclides

Não deveria ser necessário dizer às pessoas quão importantes e decisivos são os serviços públicos para a qualidade de vida das pessoas, todas as pessoas, sejam elas ricas, pobres, crianças, adolescentes, jovens, adultos, velhos, das zonas nobres ou da periferia, da capital ou do interior, do Sudeste ou do Nordeste. Esta sequência de textos aborda agora o que parece (e é) óbvio, mas que foi solicitado por leitores: “o óbvio é o mais importante”,“para ficar bem claro”, “para deixar registrado”, “quem disse que é óbvio?”, disseram.

A qualidade do serviço público de saúde pode significar literalmente salvar ou deixar-se perder a vida de uma pessoa, e significa, sim, aqui e ali, várias vezes ao dia. A chama da vida pode apagar-se em situações críticas, a depender da agilidade ou da habilidade do atendimento médico. Mas, nem sempre a situação é assim tão dramática. No grosso dos números, as pessoas apenas estão sofrendo, doentes, com dores, com febre. Nesses momentos, independente da idade ou mesmo da simplicidade ou gravidade do caso, homens e mulheres se tornam frágeis, vulneráveis, à beira do pânico, a mente dá voltas, a imaginação sai do limite, mesmo quando já estão no ambiente de socorro e diante de profissionais. Não há momento em que as pessoas precisem tanto e tão imediatamente de qualidade no serviço público, para si ou para os mais amados.

A qualidade do serviço de educação pode definir o futuro de uma pessoa, de um grupo ou de uma nação. Se há algo que estabelece algum padrão que possa permitir falar em igualdade de oportunidades, este algo é a educação. Quantidade e qualidade da educação são vitais desde os primeiros anos – o alicerce se faz no início, a base se constrói no espírito da criança. Mas, a chance de viver a vida universitária deveria ser possível de ser oferecida a todos. Não há praticamente pessoas de nível de instrução superior em situação de miséria ou pobreza. A educação cria e mantém a geração de riqueza pessoal e social, ela evita ou interrompe a corrente da pobreza. Por essa razão, os pais querem tanto que os filhos se eduquem completamente.

A qualidade do serviço de limpeza pública tem efeito estético relevante, estimula o usufruto da cidade por seus moradores, facilitando sua circulação, motiva as pessoas a respeitar o patrimônio coletivo (e o particular também), mas sobretudo, tem a função de evitar os mais diversos problemas potenciais e efetivos de saúde. Na medida em que evita acúmulo de lixo, água parada, insetos, mosquitos, ratos, germes, vírus, bactérias e outros elementos perigosos, a boa coleta protege toda a comunidade.

A iluminação pública faz de noite quase o papel que cabe ao sol de dia. Em alguns casos, com vantagens, se o gestor souber bem usar todas as possibilidades luminotécnicas – pode-se realçar a beleza, pode-se maquiar limitações, pode-se estimular traçados, destinos e roteiros, pode-se valorizar um monumento, uma praça ou uma simples rua. Mas, a iluminação também, e sobretudo, reforça a segurança: estudos mostram que se, num ambiente público, você é capaz de ver todas as feições de um rosto a 20 metros, este fato constrange os atos criminosos e violentos.

A qualidade do serviço de transporte público toca as pessoas diretamente, quase diariamente afeta sua disposição, sua produtividade e seu humor. Para aqueles que trabalham, esses elementos podem representar um dia produtivo e positivo, ou um dia improdutivo e negativo. Para a família, pode trazer tanto tranquilidade quanto estresse. O morador da cidade pode passar horas usando a estrutura do transporte público. Com o agravante de que repete horários e trajetos.

A tragédia brasileira de violência dispensa comentários sobre a importância da segurança pública. E não se deve pensar apenas em polícia quando se fala em segurança, claro, basta reler o que está escrito acima com a devida abertura e com a necessária sensibilidade. E a violência no trânsito vem matando quase tanto quanto as outras formas de explosão pessoal e social.

Precisamos falar de QSP.

Osvaldo Euclides

Osvaldo Euclides

Economista e Professor Universitário.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *