Pré-leitura do livro ‘Abstrações’, de Eduardo Fontenele

O AUTOR

O escritor Eduardo Fontenele tem formação superior em Jornalismo. Seu trabalho de conclusão de curso foi feito em torno de dois livros (On the Road, de Jack Kerouac, e Medo e Delírio em Las Vegas, de Hunter S. Thompson). É editor do blog ‘pensandodesde1978’. ‘Abstrações’ é sua primeira publicação.

A PUBLICACÃO

‘Abstrações’, de autoria de Eduardo Fontenele, foi lançado em todo o Brasil pela editora Autografia. Tem 133 páginas e versões impressa e eletrônica.

CIRCUNSTÂNCIAS

Eduardo Fontenele escreveu, ao longo de mais de dez anos, ainda sem a intenção de publicar, os 23 contos que compõem o livro. Estimulado por pessoas próximas que conheceram e avaliaram o trabalho, buscou uma editora. Conseguiu na terceira tentativa. ‘Abstrações’ é seu livro de estréia.

A IMPORTÂNCIA DO LIVRO

Para um jovem escritor estreante, Eduardo Fontenele, com seu ‘Abstrações’, consegue fazer algumas marcações importantes. Antes de tudo, o livro tem um estilo singular, único, Eduardo Fontenele consegue ser original. Também consegue ser diverso, eclético, nos temas abordados, e isso ele faz sem perder a linha que dá rosto e personalidade a seu trabalho. Escreve bem, comunica bem, atrai e retém o interesse do leitor, linha por linha, conto por conto.

O LIVRO

O livro ‘Abstrações’ é composto de 23 contos breves que abordam os mais variados temas. O autor escreve suas estórias numa espécie de zona limite entre o normal e o (im) possível. O leitor é rapidamente jogado na arena dos eventos e induzido a sentir o clima dos acontecimentos. Os personagens são construídos com velocidade. O ritmo é acelerado e os desdobramentos são sempre surpreendentes, cavalos de pau literários são frequentes e valorizam a experiência da leitura. Momentos de tensão aqui e ali são quebrados com tiradas de humor desconcertante. Não espere o leitor encontrar o tédio nessas páginas.

BONS MOMENTOS

— Liguei a televisão e o jornal eletrônico dava a notícia sobre as magníficas estátuas que vertiam sangue pelo ânus. Eram dois querubins esculpidos nos primórdios da formação do Brasil por um artista anônimo. Haviam sido trazidos na época das grandes navegações, estavam sendo visitados por uma multidão de fiéis, todos bebiam o sangue hemorroidal e se diziam curados de seus males. Achei tudo uma grande palhaçada e voltei para a cama. Encontrei Milena desperta.

— Bartolomeu foi uma criança irrequieta, buscava emoções fortes a todo instante, procurava por toda a intensidade que a vida podia oferecer. Tornou-se adulto muito cedo, pois seu pai havia abandonado a família. Bartolomeu transformou-se no homem da casa. Passou a roubar e a usar drogas.

— Vitória planejara por meses o rapto da filha Catarina, assim poderia participar de sua vida e assistir a seu crescimento. Planejou, ponderou, até que surgiu uma oportunidade. O pai a deixara só em uma lanchonete enquanto ia ao banheiro. Vitória a levou e o pai, Tiago, acionou a lei. A polícia prendeu a mãe e recuperou a pequena. Pouco tempo depois, Tiago morreu misteriosamente e a menina foi dada para adoção.

CURTAS

— A diversão perdera a pureza de princípios, agora era para alienar e não uma celebração divina.

— Todo o trabalho de hoje deveria ser refeito amanhã e o tempo tornou-se circular.

— Deus é criação dos mortais, não resta dúvida. Uma invenção que dominou seu criador.

Osvaldo Euclides

Osvaldo Euclides

Economista e Professor Universitário.

Mais do autor

1 comentário

  1. Eduardo Fontenele

    Muito obrigado, Prof. Osvaldo! Fico feliz que o livro tenha lhe agradado, são incentivos como esse que me encorajam a dar prosseguimento aos meus sonhos. É muito bom saber que estou no caminho certo, apesar de uma falha ou outra, mas estou apenas iniciando nesta atividade de escritor. Espero encontrá-lo mais vezes para bater um papo sobre literatura e afins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *