Dos males, o Brasil precisa optar pelo menor. por Haroldo Araújo

Os analistas políticos têm procurado avaliar possíveis cenários e desdobramentos da crise brasileira que ainda repercute os estragos com a demorada indefinição na transição do poder e dos rumos com a troca de comando. A atual situação fiscal e as investigações envolvendo gestores públicos e que, agora, atinge o seu ápice com a delação do comandante do grupo JBS e apontando para o governo que sucedeu ao já afastado, em questões análogas aos verificados sob comando de Dilma.

O que ninguém deseja é o tempo de espera que foi concedido à Dilma. Certamente que não foi só a espera que fez muito mal à economia e finanças como um todo, deixando a nossa situação fiscal em desespero. Essa situação contaminou alguns estados brasileiros e abalou de forma cruel e impiedosa estados com o do Rio, Minas e Rio grande do Sul. Um direito que foi concedido à governante afastada foi resistir no cargo, mas o Brasil pagou pela bravata. O que não aceitamos de Temer é a falta de espírito público, que ele própria vinha apregoando possuir.

A História se repete! Infelizmente o atual ocupante do Palácio do Planalto já deu duas entrevistas e reafirmou o seu propósito de não renunciar e continuar resistindo no cargo. Tal escolha presidencial nos leva a crer numa decisão embasada nas prerrogativas que o cargo oferece e não na mais nobre “Renúncia” altruística de um grande líder! Se assim procedesse, renunciando ao cargo, daria uma prova de elevado espírito público em favor da coletividade!

Por que a renúncia faria melhor ao Brasil? Porque nos tiraria de outro impasse tão ruinoso ou tão prejudicial quanto o anterior, com a demora na solução e que foi causado por Dilma e militantes radicais, com a mesma falta de amor ao país pela espera na solução do impedimento (mais de 1 ano). Temer já acumula quase o mesmo número de pedidos de afastamento. Agora tem um pedido mais forte ainda que é o da Ordem dos Advogados do Brasil. Sua saída é uma questão de tempo, porque politicamente tem menor base de apoio que o governo anterior.

Se é uma questão de tempo e se todos sabem que a demora na solução só prejudica a desejada recuperação econômica com a volta dos empregos, por que não se busca uma solução específica de vez que a situação é diferente da anterior. Não se trata de briga de poder, mas se trata de racionalidade. Nossa tese de que, dos males, precisamos buscar o menor desses males através de eleições Indiretas como manda o Art. 81 da CF 1988. Difícil ter Rodrigo Maia ou Eunício comandando a eleição indireta. A lava jato vem implodindo toda a classe política. Melhor para o Brasil.

É preferível então chamar a Carmem Lúcia para presidir a escolha e eleição do nome do novo Presidente. O mal maior é a demora na solução do impasse! Por que? Porque poderemos elevar o número de desempregados para 17.000.000 (dezessete milhões). Seria difícil controlar esse povo que ficaria (isso mesmo no condicional) desamparado!

Haroldo Araujo

Haroldo Araujo

Funcionário público aposentado.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *