Capitão Wagner (PR) pede ao Governador que investigue acordo entre Comando Vermelho e PCC, que teria gerado os “Guardiões do Estado”

O deputado pediu ao governador Camilo Santana a abertura de investigações sobre um possível acordo entre facções criminosas. De acordo com o parlamentar, a redução dos homicídios do Estado pode estar relacionada aos entendimentos entre os grupos Comando Vermelho (CV) e Primeiro Comando da Capital (PCC), surgindo dessa união a organização Guardiões do Estado.

Para Capitão Wagner, o governador se precipitou ao divulgar para a imprensa a ideia de que a divulgação desse acordo seria apenas “brincadeira de internautas”. O parlamentar salientou que, em janeiro, houve  redução de 25% nos homicídios “graças ao esforço da Polícia Militar, que está recebendo uma especial atenção do Governo, mas também pode estar vinculada ao acordo entre as facções”.

O parlamentar lembrou que, no último final de semana, quando ocorreram relatos de comemorações das facções em diversos bairros da cidade, foram registrados apenas quatro homicídios em Fortaleza, quando rotineiramente aconteciam mais de 40. Para o deputado, isso seria um indicativo de que o acordo realmente existe. “No mínimo, Camilo Santana deveria mandar investigar para saber se há ou não. Por isso, estamos pedindo à Secretaria de Segurança para que abra essa investigação”.

O deputado avalia que o registrado nas estatísticas da violência não é pacificação, “mas um silenciamento, tentando cooptar os jovens para integrar as quadrilhas ligadas ao PCC e ao CV. A cidade faz parte da rota mundial do tráfico de drogas. Um coronel já disse que o bicho vai pegar, porque o crime organizado vai partir para cima da Polícia”, observou.

O deputado disse possuir informação proveniente de delegados de polícia de que há provas de que o PCC e o CV estão instalados na cidade. “Sem investigação, não há como saber se é verdade ou não”, concluiu Wagner.

Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa

Franzé de Sousa

Franzé de Sousa

Repórter Fotográfico/Videomaker, colaborador do Segunda Opinião.

Mais do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *